• Análise Técnica

    CryptoInforme

    CryptoInforme 13/09!


    Por Jean Pierre Teixeira Costa • 13 de setembro de 2021
    tempo de leitura do artigo: 14 minutos

    Vamos ao CryptoInforme do dia 13/09!


    CENÁRIO GLOBAL

    Banco Central Francês eleva perspectiva de crescimento à medida que a economia cresce

    A economia da França recupera-se mais rápido do que o esperado para este ano, devido ao enfraquecimento da crise do COVID-19, o que eleva a perspectiva de crescimento para este ano, disse o banco central.

    Nesse sentido, estima-se um crescimento de +6,3% este ano, disse o Banco da França em sua projeção trimestral, após revisar sua estimativa para cima dos +5,8% esperados anteriormente em junho.

    A revisão do banco central é um pouco mais otimista do que a do governo, que está construindo seu orçamento para 2022 com a premissa de que a economia crescerá 6% este ano.

    O banco central previu que a economia cresceria 3,7% em 2022 e 1,9% em 2023, ante projeções anteriores de 4,1% e 2,1%, respectivamente.

    Apesar da expectativa de expansão, metade das empresas relatou dificuldades de pessoal, enquanto mais da metade das empresas industriais e 61% das firmas de construção tiveram problemas na cadeia de abastecimento.

    Nesse contexto, a inflação deveria atingir uma média de 1,8% este ano, antes de recuar para 1,4% no próximo ano e 1,3% em 2023. 

    Mesmo com a crescente recuperação, o desemprego ficou praticamente estável em 8,1% -8,2% entre agora e 2023.

    Parlamentares Democratas querem limitar a dedução de impostos estadual e local

    Os democratas na Câmara dos Representantes dos EUA disseram na segunda-feira que continuam os trabalhos em prol de uma legislação que “desfaria” um limite para as deduções fiscais estaduais e locais impostas pela lei republicana de reforma tributária de 2017.

    Dessa forma, disse o presidente do Comitê de Meios e Recursos da Câmara, Richard Neal, em um comunicado.

    “Estamos comprometidos em promulgar uma lei que incluirá alívio significativo de SALT, que é tão essencial para nossas comunidades de classe média”.

    Giro pelas bolsas

    O S&P 500 fechou em alta na segunda-feira, encerrando uma sequência de cinco dias de derrotas, com os investidores se concentrando em possíveis aumentos de impostos corporativos e nos próximos dados econômicos.

    O Dow Jones Industrial Average também avançou, mas o Nasdaq Composite Index terminou em queda.

    Os investidores preferiram o valor ao crescimento, com as ações definidas para se beneficiarem mais de uma economia em recuperação, desfrutando dos maiores ganhos percentuais.

    Disse Liz Young, chefe de estratégia de investimentos da SoFi em Nova York.

    “Provavelmente não haverá muitas surpresas positivas neste mês.

    Estamos passando por outro período de volatilidade, em que acho que a rotação pode voltar para os ciclos e a reabertura do comércio, à medida que a taxa dos títulos de 10 anos aumenta lentamente até o final do ano.”

    O mercado está focado na provável aprovação do pacote de orçamento de 3,5 trilhões de dólares do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que deverá incluir um aumento proposto na alíquota do imposto corporativo de 21% para 26,5%.

    O Departamento de Trabalho deve divulgar seus dados do índice de preços ao consumidor na terça-feira, o que pode lançar mais luz sobre a atual onda de inflação e se ela é tão transitória quanto o FED insiste.

    Dessa forma, acrescentou Young:

    “Não vejo a inflação caindo abaixo de 2%, onde era antes da pandemia. 

    Mesmo que algumas dessas forças transitórias enfraqueçam, ainda assim permaneceremos em uma taxa mais alta do que estávamos antes.”

    Grandes índices em oscilação

    Por outro lado, o Dow Jones Industrial Average subiu 261,91 pontos, ou +0,76%, para 34.869,63.

    Ainda o S&P 500 ganhou 10,15 pontos, ou +0,23%, em 4.468,73.

    Em contrapartida, o Nasdaq Composite caiu 9,91 pontos, ou +0,07%, para 15.105,58.

    Dos principais setores no S&P 500, o setor de saúde sofreu a maior perda percentual.

    Enquanto isso, a energia, impulsionada pelo aumento dos preços do petróleo, foi o que mais ganhou.

    As ações dos fabricantes de vacinas Moderna (NASDAQ: MRNA ) e Pfizer Inc (NYSE: PFE ) despencaram -6,6% e -2,2%, respectivamente, depois que os especialistas disseram que as vacinas de reforço COVID não são amplamente necessárias.

    A Coinbase (NASDAQ: COIN ) Global Inc anunciou planos para levantar cerca de 1,5 bilhão de dólares por meio de uma oferta de dívida destinada a financiar o desenvolvimento de produtos e aquisições em potencial. 

    Dessa forma, as ações das criptomoedas caíram -2,2%.

    O S&P 500 registrou 12 novos máximos de 52 semanas e um novo mínimo; o Nasdaq Composite registrou 53 novos máximos e 71 novos mínimos.

    O volume nas bolsas dos EUA foi de 10,30 bilhões de ações, em comparação com a média de 9,29 bilhões nos últimos 20 dias de negociação.

    Bolsas Europeias

    As ações europeias terminaram nesta segunda em alta pela primeira vez em cinco pregões.

    Dessa forma, os papéis de petróleo, bancos e de serviços públicos em alta trazem esperança de que uma forte recuperação econômica na zona do euro supere os riscos de uma desaceleração global.

    O índice pan-europeu STOXX 600 subiu +0,3%, após atingir uma mínima em três semanas na semana passada.

    Investidores europeus sentiram-se aliviados quando o Banco Central Europeu (BCE) elevou na semana passada suas projeções de crescimento e inflação para este ano.

    “Embora estejamos acostumados a ver os mercados dos EUA liderando o caminho, há um sentimento de que podemos ver uma recuperação maior para a Europa, já que os altos níveis de vacinação mantêm as mortes relativamente estáveis”.

    Joshua Mahony, analista sênior de mercado do IG

    Nessa linha, as ações de bancos, petróleo e gás e construção e materiais, que são setores sensíveis à economia, subiram entre 0,9% e 2,8%.

    Além disso, o índice de ações de empresas ligadas a serviços públicos aumentou 1,6%.

    Enquanto isso, em Frankfurt, o índice DAX subiu 0,59%, a 15.701,42 pontos.

    Assim, em Paris, o índice CAC-40 ganhou 0,20%, a 6.676,93 pontos.

    Por fim, todos os olhares estarão voltados para dados de preços ao consumidor dos EUA a serem divulgados na terça-feira, após a alta dos preços ao produtor na semana passada ter levantado dúvidas sobre a visão do Federal Reserve (banco central dos EUA) de que a inflação é transitória.

    Paralelo a isso, as ações asiáticas caíram na esteira de notícias de novas medidas regulatórias contra as empresas chinesas.

    As commodities

    Os Futuros do Ouro

    Os Futuros de Ouro subiram nesta segunda-feira.

    Na divisão Comex da Bolsa de Nova York, foram negociados com vencimento para dezembro a 1.794,45 USD por onça troy, até o fechamento deste CryptoInforme, em alta de +0,13%.

    O ouro estava propenso a encontrar suporte em 1.783,10 USD  e resistência em 1.806,00 USD .

    O Índice Dólar Futuros, que acompanha o desempenho do dólar norte-americano em comparação com a cesta das seis principais moedas, registrou ganhos de +0,10% para negociação a 92,662 USD.

    Em outra parte da Comex, a Prata para entrega em dezembro registrou perdas -0,62% para negociação a 23,753 por onça troy.

    Enquanto isso, o Cobre com vencimento em dezembro registrou perdas -2,02% para negociação a 4,3620 USD por libra-peso.

    Os Futuros do Gás Natural sobem

    Os Futuros do Gás Natural subiram neste início de semana.

    Nesse sentido, na Bolsa de Nova York, os Futuros do Gás Natural com vencimento em outubro foram negociados a 5,228 USD por milhões de unidades térmicas Britânicas, até o fechamento deste CryptoInforme, em alta de +5,87%.

    O Gás Natural estava propenso a encontrar suporte em 4,585 USD e resistência em 5,288 USD.

    Nessa linha, o Petróleo para entrega em outubro registrou ganhos +1,00% para negociação a 70,42 USD por barril. Enquanto isso, o óleo com vencimento em outubro registrou ganhos +0,56% para negociação a 2,1580 USD por galão.

    Os Futuros do Petróleo acompanham a alta

    Os Futuros do Petróleo também subiram na segunda-feira.

    Na Bolsa de Nova York, os Futuros do Petróleo com vencimento em outubro foram negociados a 70,48 por barril, até o fechamento deste CryptoInforme, em alta de +1,09%.

    O Petróleo estava propenso a encontrar suporte em 67,56 USD e resistência em 70,97 USD.

    Em outra parte da ICE, o Petróleo Brent com vencimento em novembro registrou ganhos de +0,77% negociados a 73,48 USD por barril.

    Enquanto isso, o spread entre o Petróleo Brent e o Petróleo ficaram a 3,00 USD por barril nos contratos.

    Os Futuros do Vergalhão de aço

    Os contratos futuros do vergalhão de aço chinês foram negociados em intervalos limitados nesta segunda-feira, com leve queda ante máximas recentes.

    Da mesma forma, os preços das matérias-primas para a produção de aço despencaram.

    Enquanto isso, a produção semanal do metal ficou em 10,15 milhões de toneladas até 9 de setembro, de acordo com a Mysteel, queda de -7% em relação ao mesmo período do ano anterior.

    Dessa forma, escreveram analistas da CITIC Futures em uma nota:

    “Afetada pela situação do coronavírus e pelas inundações em julho e agosto, a demanda (de construção) deve aumentar durante a alta temporada”. 

    O vergalhão mais ativo na Bolsa de Futuros de Xangai, com vencimento em janeiro, caiu -0,6% para 5.642 iuanes (874,40 dólares) por tonelada no fechamento.

    Da mesma forma, o contrato futuro de bobinas laminadas a quente, usadas em carros e eletrodomésticos, fechou em queda de -1,7%, a 5.805 iuanes por tonelada.

    Nessa linha, o aço inoxidável na bolsa de Xangai, com vencimento em outubro, caiu -2,3%, para 19.180 iuanes por tonelada.

    Por fim, os preços das matérias-primas para a produção de aço na Bolsa de Commodity de Dalian caíram.O minério de ferro de referência fechou em queda de -3,5%, para 706 iuanes, assim como o carvão metalúrgico, que recuou 6,3%.

    Soja

    A exportação de soja do Brasil no acumulado até a segunda semana deste mês registrou uma média diária de 280,3 mil toneladas, comparado aos embarques de 202,9 mil toneladas por dia em setembro completo de 2020, apontou nesta segunda-feira a Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

    Colheita de milho

    A colheita da segunda safra de milho no Brasil atingiu 97,9% da área estimada de 14,4 milhões de hectares, segundo levantamento divulgado hoje pela Safras & Mercado.

    Enquanto isso, a comercialização avançou para 70% do total colhido.

    Nesse sentido, os trabalhos de colheita atingem 94,6% no Paraná, 92,4% em São Paulo, 98,1% em Mato Grosso do Sul, 99,7% em Goiás, 100% em Mato Grosso e 90,3% em Minas Gerais.

    Em comparação ao ano passado, no mesmo período, a colheita no país atingia 98,3% da área estimada de 13,27 milhões de hectares.

    Além disso, a comercialização da “safrinha” 2021 avançou cerca de dez pontos percentuais em um mês, para 70,1% de uma produção prevista pela Safras em 55,7 milhões de toneladas.

    Por outro lado, em setembro do ano passado, a comercialização estava em ritmo mais lento, atingindo 62,6%.

    Com relação à nova safra, a consultoria destacou que o plantio de milho verão 2021/22 atingiu 16,7% da área estimada de 4,385 milhões de hectares até sexta-feira.

    Isso representa um avanço semanal de quase cinco pontos percentuais e à frente da média histórica.

    Em contrapartida, no mesmo período do ano passado o plantio estava em 18,1% da área estimada. Já a média de plantio dos últimos cinco anos é de 12% nesta época.

    Assim, os trabalhos avançaram para 45,5% da área prevista no Rio Grande do Sul, 16,7% em Santa Catarina e 6,2% no Paraná.

    CENÁRIO NACIONAL

    Reforma do Imposto de Renda versus arrecadação

    A reforma do Imposto de Renda aprovada na Câmara dos Deputados, que implica perda de arrecadação, não compromete a redução da dívida bruta do país, mas posterga esse movimento, reconheceu a Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia.

    Sem a reforma, que reduz a carga tributária de empresas em troca da instituição de uma alíquota sobre dividendos, a dívida bruta chegaria a 78,4% do PIB em 2025.

    Em contrapartida, a secretaria defendeu que a arrecadação tributária está surpreendendo para cima e que parte desse movimento é estrutural, quadro que comportaria e até compensaria uma perda de receita com a reforma do IR.

    Assim, segundo a SPE, o aumento da arrecadação previsto para este ano em comparação com 2020, 110 bilhões de reais virá por “crescimento estrutural adicional”, sendo 60 bilhões de reais em IR de pessoas físicas e jurídicas.

    Projeção de um crescimento nominal

    Dessa forma, disse a SPE:

    “Um exercício de decomposição do crescimento nominal da arrecadação mostra que, mantendo a continuidade da recuperação econômica no próximo ano e assumindo que o deflator implícito do PIB continue acima do IPCA, projeta-se que o crescimento nominal da arrecadação no ano que vem fique em terreno positivo e acima da variação do IPCA. 

    Dessa forma, indicando que parte relevante dos valores acrescidos na tributação total deste ano são permanentes”.

    Dessa forma,a reforma do IR ainda precisa da aprovação do Senado. Na última sexta-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse confiar que o texto receberá a chancela dos senadores.

    Pelo texto aprovado na Câmara, o encargo total sobre o IR das empresas cairia para 26%, de 34% hoje.

    Assim, isentos desde 1995, os dividendos distribuídos pelas empresas passariam a ser tributados em 15%.

    Em relação às pessoas físicas, a reforma aumentaria a faixa de isenção do IR a 2.500 reais mensais, sobre 1.903,98 reais, o que ampliaria o número de trabalhadores que não pagariam impostos sobre seus salários.

    Nesse sentido, as demais faixas da tabela do IR também seriam atualizadas, embora em menor proporção.

    Indicadores Econômicos

    Fonte: CryptoInforme

    GIRO NO MUNDO CRYPTO

    A semana inicia com o valor total do mercado cripto em leve correção de -1,27% em relação às últimas 24 horas.

    Bitcoin (BTC) – Marketcap Total.
    Fonte: CryptoInforme

    A segunda-feira foi marcada por uma grande volatilidade no mercado, que hoje chegou a perder os 2 trilhões de dólares.

    Entretanto operou parte do dia em recuperação, registrando até o momento do fechamento desta edição um ganho de +4,97% em relação à mínima registrada nos 1,97 trilhões de dólares.

    No que se refere à dominância do mercado, o Bitcoin (BTC), opera em leve recuperação e agora ocupa 41,02% do mercado.

    Bitcoin (BTC) – Dominância.
    Fonte: CryptoInforme

    Por outro lado, o Ethereum, que passou por uma maior correção de valor de mercado, opera com leve perda de dominância e ocupa 18,41% do mercado cripto até o momento.

    Ethereum (ETH) – Dominância.
    Fonte: CryptoInforme

    Assim, nas últimas 24 horas destacaram-se as seguintes criptomoedas:

    • eCash (XEC) +20,89%:
    eCash (XEC) – Price Action.
    Fonte: CryptoInforme
    • Synthetix (SNX) +13,41%:
    Synthetix (SNX) – Price Action.
    Fonte: CryptoInforme
    • Mina (MINA) +12,95%:
    Mina (MINA) – Price Action.
    Fonte: CryptoInforme
    • Stacks (STX) +9,20%:
    Stacks (STX) – Price Action.
    Fonte: CryptoInforme
    • Cosmos (ATOM) +7,99%:
    Cosmos (ATOM) – Price Action.
    Fonte: CryptoInforme

    Cenário Técnico

    A semana inicia com o Bitcoin (BTC) bastante volátil o que gerou muitas liquidações no mercado futuro.

    Nesse sentido, o dia de hoje registrou máxima nos 46.895 USD e mínima em 43.400 USD, uma variação de 7% no dia.

    Sendo assim, os eventos de liquidez dentro do ativo continuam a prejudicar a ação do preço, não permitindo uma “ação natural” dentro do ativo.

    Há que se ressaltar que o ativo teve uma boa resposta ao testar os 43.400 USD.

    Apesar do dia marcado pela grande volatilidade e da boa resposta do preço para a ação dos “bears”, pode-se observar o final de uma linha de tendência de baixa de curto prazo.

    Dessa forma, espera-se que nas próximas horas o ativo faça uma tentativa de rompimento desse padrão, o que pode somar com a convergência das médias no tempo gráfico de 2 horas e a chegada na média móvel de 200 períodos.

    Bitcoin (BTC) – Price Action – 2h
    Fonte: CryptoInforme

    Esse fato poderia levar o ativo a ser negociado próximo aos 48.000 USD.

    Por outro lado, uma rejeição na tentativa de rompimento poderia empurrar o preço a ser negociado próximo dos 42.800 USD.

    Sendo assim, reitera-se que o momento é de cautela para operações, visto que as grandes volatilidades já voltam a aparecer e por consequência, grandes movimentos.

    Contudo, evitar altas alavancagens e a utilização das ferramentas de proteção para o capital empregado pode auxiliar evitando grandes perdas.

    Bitcoin (BTC) – Price Action
    Fonte: CryptoInforme


    Reportagem de Jean Pierre Teixeira Costa e reportagem adicional de Ana Flávia Santana Saraiva.


    Acompanhe o CryptoInforme diariamente e fique por dentro das principais notícias!

    Curta a página da CryptoRadar no Instagram, Facebook e Twitter interaja conosco.


    OBSERVAÇÃO:  O informativo CryptoInforme do dia 13/09 não é aconselhamento financeiro, legal e nem indicativo de compra e venda de qualquer ativo. As decisões de como investir devem ser pessoais e com base em seus estudos e pesquisas sobre o mercado financeiro. 

  • CryptoTalk banner

  • Matérias Relacionadas


    Carregar mais matérias relacionadas.