• Guias e Tutoriais

    Blockchain

    Citibank tinha plano sobre criptomoeda desde 2015!


    Por Ezequiel Gomes • 19 de março de 2019
    tempo de leitura do artigo: 4 minutos

    Tendo em conta que o JPMorgan fez recentemente uma criptomoeda apoiada pelos bancos, vale a pena recordar que outra grande instituição testou um token para conectar os pagamentos globais – em 2015.

    Codinome “Citicoin”, o projeto do laboratório de inovação do Citigroup em Dublin nunca foi formalmente anunciado pelo banco, mesmo tendo desenvolvido uma prova de conceito. A ideia era simplificar os processos globais de pagamento. Como tal, há paralelos óbvios com a JPM Coin.

    No entanto, tendo feito um balanço do experimento (sem mencionar o desprezo da comunidade bitcoin na época), o Citi concluiu que, embora a tecnologia tenha o potencial de cumprir suas promessas, havia outras formas mais eficazes e eficientes de se fazer melhorias nos pagamentos.

    Isso é de acordo com o atual chefe do laboratório de inovação do Citi, Gulru Atak, diretora global de inovação para soluções de tesouraria e comércio (TTS). Em relação aos experimentos criptográficos de seus antecessores, ela disse:

    “Com base em nossos aprendizados com esse experimento, decidimos fazer melhorias significativas nos trilhos existentes aproveitando o ecossistema de pagamentos e dentro desse ecossistema, estamos considerando as fintechs também ou os reguladores em todo o mundo, incluindo SWIFT.”

    Tomando um passo para trás, Atak disse que quando se trata de melhorar os pagamentos internacionais, o banco está olhando para métodos eficazes, mas com um impacto de curto prazo.

    “Estamos tentando fazer essas mudanças hoje, em vez de apenas colocar todos os nossos esforços em tecnologia futura”, disse ela.

    Afinal de contas, para mudar completamente uma rede de pagamentos transfronteiriça com a tecnologia blockchain, seria preciso integrar todos os bancos do mundo, disse Atak, acrescentando:

    “Se estamos a falar de pagamentos transfronteiriços, quantos bancos temos em todo o mundo – e quantos deles já estão integrados no SWIFT? E quanto tempo demorou a SWIFT para integrar todos esses bancos? ”

    Como tal, a estratégia blockchain do Citi nos últimos anos tem procurado encontrar formas de integrar sistemas legados, disse Atak, citando a parceria do banco com a Nasdaq em 2017, CitiConnect, destinada a agilizar os pagamentos em torno de títulos privados. Esse projeto, ela disse, também tem paralelos com o JPM Coin.

    “O [CitiConnect] não emitiu stablecoins, mas a infraestrutura usada foi semelhante à emissão de moedas em uma plataforma blockchain”, disse Atak. “Mas era puramente integrar em um sistema com blockchain ativado no final do nosso cliente e fazer com que ele se conectasse aos nossos processos de pagamento herdados em tempo real”.

    Do trade finance ao FX

    Enquanto Atak estava feliz em refletir sobre iniciativas anteriores de blockchain, ela também apontou que o Citi certamente continua a explorar blockchain, especialmente em áreas relacionadas a trade.

    Esse nicho é um caso de uso mais realista, disse ela, porque a construção de um ecossistema para o financiamento do comércio não exige tantos bancos quanto um sistema de pagamentos transnacionais completo.

    “Nosso foco é atualmente mais no espaço comercial e finanças comerciais e cartas comerciais de crédito. Estamos experimentando essa tecnologia, mas provavelmente somos um pouco reservados quando se trata de fazer anúncios públicos ousados. ”

    O banco global rival HSBC não é tão tímido em bater no peito. Em janeiro, o HSBC anunciou que havia liquidado US $ 250 bilhões em operações de câmbio (FX) usando uma blockchain no ano passado.

    Em relação ao FX, Opeyemi Olomo, líder de blockchain do Innovation Lab do Citi, disse que há pontos negativos nesse mercado, que tem problemas em relação à transparência do crédito. Assim como nos pagamentos globais, a questão de se aplicar blockchain se resume a construir um ecossistema e como esse processo seria oneroso em relação ao benefício.

    Olomo concordou que há uma oportunidade.

    “Existe um ecossistema de nicho e se você olhar para os provedores de liquidez no espaço FX, os principais provedores de liquidez não são muitos. Então esse é um ecossistema onde você poderia pensar nisso e ter uns cinco ou seis juntos e você pode começar a criar uma diferença ”, ele disse.

    Em termos gerais, Atak disse que muitas indústrias estão se esforçando para mover os instrumentos existentes para uma plataforma habilitada para blockchain sem necessariamente pensar por que esse instrumento existe desde o início.

    Em vez disso, um exame atento da própria natureza dos instrumentos financeiros pode ser necessário, disse ela. “Por exemplo, como um ser humano criou um instrumento bancário chamado carta de crédito? Quais foram os problemas que levaram à sua criação? ”

    Essa abordagem filosófica guiará o pensamento do Citi, acrescentou Atak, concluindo:

    “Estou me desafiando também: estamos olhando para essa tecnologia com o seu melhor potencial ou estamos apenas tentando nos livrar do atual atrito e da ineficiência operacional do sistema?


    Fonte: https://www.coindesk.com/citi-scraps-its-plan-for-a-jpm-coin-like-bank-backed-cryptocurrency


    Curta a página da CryptoRadar no Facebook e Twitter interaja conosco.
    Já ouviu nosso podcast? Acesse CryptoTalk e ouça.

  • CryptoTalk banner

  • Matérias Relacionadas


    Carregar mais matérias relacionadas.