CBOE Tenta Novamente Obter Licença de ETF de Bitcoin junto à SEC

0
53

Em 26 de junho, a Securities and Exchange Commission (SEC) recebeu um requerimento de um ETF (exchange traded fund) de Bitcoin, solicitado pela Cboe Global Markets, que propôs parceria com a Van Eyck Investment e SolidX.

A SEC publicou o requerimento para convidar o público a comentar a questão. A Cboe planeja oferecer aos seus clientes a compra de ações da SolidX, que atualmente são avaliadas, aproximadamente, em 25 bitcoins. Enquanto isso, o próprio fundo irá adquirir bitcoin no mercado de balcão.

“O ETF, em condições normais de mercado, usará recursos disponíveis para a compra de bitcoins, principalmente em mercados de balcão, sem ser alavancado ou exceder os limites de posições relavantes”, diz o documento.

Também forneceria cobertura de seguro a clientes “subscritos por várias seguradoras”, contra qualquer possível perda ou roubo dos bitcoins (chaves privadas) em posse do ETF.

De acordo com o documento:

A apólice de seguro terá limites iniciais de USD 25 milhões em cobertura primária e USD 100 milhões em excesso de cobertura, com a capacidade de aumentar a cobertura dependendo do valor do bitcoin detido pelo truste.

Maiores Chances de Aprovação

Não é a primeira vez que a Cboe, uma das maiores corretoras do mundo, tenta aprovação de um ETF de bitcoin junto à SEC. O último pedido negado aconteceu em março deste ano, apesar do presidente da corretora, Chris Concannon, ter escrito uma carta direta à SEC, com o intuito de aliviar algumas das preocupações sobre o ato de investir em criptomoedas, como baixa liquidez.

“Embora as participações relacionadas a criptomoedas levantem uma série de questões exclusivas, a Cboe acredita firmemente que tais participações não exigem uma revisão significativa dos parâmetros já estabelecidos relacionados à avaliação, liquidez, custódia, arbitragem e manipulação”, escreveu Concannon.

No mês passado, o diretor global de produtos negociados em bolsa da Bitwise Asset Management, John Hyland, observou que alguma posição clara da SEC seria necessária para aumentar as chances de aprovação de um ETF Bitcoin “o quanto antes”.

“Eu acho que nós os recebemos mais cedo ou mais tarde”, afirmou. “Mas também acho que, se não virmos nenhuma ação da SEC nos próximos dois meses, vamos pular para 2019 e além”.

A tão esperada posição aconteceu. Poucos dias depois, o Diretor de Finanças Corportativas da SEC, William Hinman, anunciou que o Bitcoin, o Ether, e outras criptomoedas descentralizadas não são classificadas como valores mobiliários (títulos).

Portanto, a nova posição poderia abrir caminho para o regulador assinalar a “luz verde” para o requerimento da ETF em questão. Além disso, na semana passada, a SEC aprovou planos para comentários públicos, o que facilitaria a criação de novos ETFs no mercado pelas empresas de investimento.

A Cboe tem buscado a aprovação de um ETF de Bitcoin ao mesmo tempo que foi pioneiro no lançamento de contratos de futuros de bitcoin no final do ano passado. Ela vê um grande potencial em serviços de custódia como uma ponte que ligaria o mercado financeiro tradicional e a indústria de criptoativos. De fato, até o JPMorgan Chase reconheceu, em fevereiro, que um ETF baseado em bitcoin seria o “santo graal para proprietários e investidores”.

Com o avanço da Europa em direção ao lançamento de seus próprios ETFs de criptomoeda, a aprovação não parece ser uma questão de se, mas sim de quando.

Se a Cboe finalmente obtiver essa aprovação, o ETF de Bitcoin estará aberto para negociação no primeiro trimestre de 2019.

E você, acredita que os ETFs de bitcoin serão um marco para a história das criptomoedas?


Curta a página da CryptoRadar no Facebook.


Já ouviu nosso podcast? Acesse CryptoTalk e fique por dentro.