• Tecnologia

    Blockchain

    Blockchain pode diminuir preço de combustíveis no Brasil!


    Por Ezequiel Gomes • 26 de abril de 2019
    tempo de leitura do artigo: 1 minuto

    Segundo Luiz Claudio Paschoal, a tecnologia da blockchain pode ser útil para reduzir custos na área da produção e distribuição de combustíveis no Brasil.

    Esse tipo de aplicações da tecnologia blockchain é extremamente interessante, mas se não compreendermos bem o fenômeno por detrás disso podemos errar pensando que há soluções simples para os problemas financeiros caso simplesmente evoquemos a palavrinha mágica “blockchain”.

    A verdade é que esse tipo de potencial dessa tecnologia não surge de nenhuma magia, mas sim de uma inovação tecnológica gigantesca, ainda que relativamente simples de entender em suas implicações práticas.

    As estruturas governamentais, empresariais, de produção e logística ainda refletem algumas arquiteturas arcaicas de funcionamento à luz dos desenvolvimentos possibilitados pelas tecnologias mais atuais.

    Há um milhão de formas de eliminar burocracia, intermediários, custos com certos tipos de seguros através da tecnologia base por detrás das moedas digitais.

    A blockchain pode fazer isso em função das características chave de sua natureza como plataforma distribuída para registro imutável de valores e informações importantes.

    Para isso, naturalmente, cada ramo precisa desenvolver sua aplicação em blockchain para solucionar seus problemas, num processo que demanda estudo, criação, teste e implementação de uma nova forma de gerenciar as coisas e é por isso que a fala de Luiz Paschoal faz sentido e nada tem que ver com mágica.

    Claro que entre a perspectiva teórica e a prática há um caminho e é nesse caminho que nós esperamos que o Brasil se empenhe daqui por diante.


    Curta a página da CryptoRadar no Facebook e Twitter interaja conosco.
    Já ouviu nosso podcast? Acesse CryptoTalk e ouça.

  • CryptoTalk banner

  • Matérias Relacionadas


    Carregar mais matérias relacionadas.